A novidade identifica os níveis de detalhes dos pixels e os arredonda analisando as conexões próximas, mesmo as diagonais, e o resultado é bem bacaninha:

Nem sempre o resultado fica muito bom, como no caso do herói de Doom:

O algoritmo é complexo, segundo os pesquisadores, mas com a divulgação os caras tem a esperança de que ele seja comprado por alguma grande empresa (Nintendo?) e, com mais desenvolvimento, ele possa ser transformado em um “filtro em tempo real”.

Algo como jogar antigos games de 8 e 16-bit nos consoles de última geração renderizando o jogo automaticamente para os padrões vistos acima.

Em tempos de TVs HD de 40 e até 50 polegadas isso pode ser uma boa, mas o que será que os jogadores oldschool puristas vão pensar de uma coisa assim?!